Guiné-Bissau: Campo de Batalhas (Inúteis) - Plataforma Media

Guiné-Bissau: Campo de Batalhas (Inúteis)

Quando começa uma batalha, o primeiro derrotado é o plano de batalha. Este aforismo muitas vezes empregue por quem estuda a natureza da guerra traduz a realidade fluida e imprevisível de uma batalha… em que nem tudo decorre como previsto.

Um aforismo que encontra particular atualidade na Guiné-Bissau, cuja presente crise política é apenas a mais recente num longo ciclo de conflitos (alguns de contornos sangrentos) que têm marcado a vida deste país lusófono da África Ocidental e bloqueado o seu desenvolvimento.

Para se ter uma ideia do modo como a violência e instabilidade têm marcado as últimas décadas do país refira-se que o país tem um PIB/per capita na ordem dos 700 dólares, um dos mais baixos no mundo.

Ali a esperança média de vida é 57,6 anos. A de Angola, com uma guerra civil de mais de duas décadas e uma paz de quase 20 anos, é de 62 anos. No Afeganistão e no Iraque, países onde persiste uma instabilidade recorrente, a esperança média de vida é, respetivamente, de 64 anos e de 70 anos.

A presente crise, em torno da eleição de Umaro Sissoco Embalò, não se tem revestido dos níveis de violência do passado, mas a tensão e os alinhamentos de anteriores crises continuam a manifestar-se.

Basta ver quem esteve presente na “investidura” de Sissoco Embalò (chefias militares e António Indjai…), e como está a criar linhas de fratura na principal organização regional, a CEDEAO, e trouxe da penumbra para primeiro plano o cenário de clivagens étnicas e religiosas.

A cada ano os indicadores estão aí a demonstrar que, entre vitórias transitórias de círculos de interesses, o país continua imóvel, refém de conflitos e estratégias em que os planos de batalha só produziram atraso, pobreza e falta de desenvolvimento.

Assine nossa Newsletter