Jihadistas executaram e deceparam 52 jovens que não quiseram aderir ao grupo - Plataforma Media

Jihadistas executaram e deceparam 52 jovens que não quiseram aderir ao grupo

As execuções ocorreram em 08 de abril na aldeia de Xitaxi, quando os grupos armados tentavam recrutar jovens no distrito de Muidumbe, segundo Orlando Modumane, porta-voz da polícia moçambicana.

“Os jovens que estavam para ser recrutados ofereceram resistência, o que provocou a ira dos malfeitores que indiscriminadamente balearam mortalmente 52 jovens”, explicou o porta-voz do comando-geral da polícia moçambicana. Os jovens foram “massacrados”, alguns deles decepados, depois da recusa em entrar no grupo jihadista islâmico.

Segundo Orlando Modumane, as autoridades moçambicanas deslocaram-se à aldeia após denúncias da população, mas os insurgentes haviam já abandonado o local.

O porta-voz da polícia moçambicana disse ainda que as Forças de Defesa e Segurança reforçaram as operações nos pontos mais críticos da província.

“Temos estado a intensificar várias ações operativas, visando a sua neutralização e consequente responsabilização pelos atos criminosos e hediondos que têm perpetrado naquele ponto do país”, concluiu Orlando Modumane.

Cabo Delgado, região onde avançam megaprojetos de extração de gás natural, tem enfrentado ataques de grupos armados classificados como uma ameaça terrorista.

As incursões já mataram, pelo menos, 400 pessoas desde outubro de 2017.

Artigos relacionados
MoçambiqueSociedade

ONG moçambicana cria Centro da Juventude em Cabo Delgado

LusofoniaMoçambique

Ramalho Eanes critica “imobilidade preocupante dos PALOP” em relação a Moçambique

MoçambiqueSociedade

Em Cabo Delgado já não se contam os mortos

MoçambiquePolítica

Portugal admite enviar militares para combater terroristas em Moçambique

Assine nossa Newsletter